Noite de matar um homem


Ler um conto de Sergio Faraco equivale a uma viagem intimista – e muitas vezes perturbadora – ao âmago mais profundo do que costumamos chamar de homem. Isso é sobretudo verdade nos contos desta antologia. O estilo é depurado, nu, impiedoso. Os personagens, almas insólitas, a um só tempo desconfortáveis e maravilhadas pelo encantamento do existir. As viagens, melancólicas como o horizonte pampeano, e o sexo, uma experiência definidora de marcante carnalidade. A paisagem fronteiriça do sul do Rio Grande do Sul coloca os protagonistas frente a frente com o vasto e perigoso mundo e, graças à habilidade narrativa do autor, serve de trampolim para se atingir o universal.

Em Noite de matar um homem, estão reunidos 16 dos melhores contos do autor. Publicado primeiramente em 1986, com 12 contos, entre eles os célebres 'Travessia', 'Hombre' e 'Noite de matar um homem', o volume é agora acrescido de quatro novas narrativas, 'A sagração da noite escura', 'Aventura na sombra', 'Velhos' e o sensacional 'O céu não é tão longe', nos quais os sentimentos de desamparo e de solidão são conduzidos ao extremo.

Com ecos de Tolstói, Guimarães Rosa e Borges, aqui estão para o leitor alguns dos melhores textos de um dos mais renomados contistas brasileiros – textos para serem sorvidos e relidos, palavra por palavra.


Fonte: http://www.lpm.com.br/